Música espanhola na Candelária

 

Foto: Niccolò Guasti

movimento.com - 13/11/2015 - 11h00

Violonista espanhol Daniel Casares e Orquestra Cesgranrio Sinfônica tocam na abertura carioca do Festival Mimo 2015.

Na sexta-feira, dia 13 de novembro, às 18h30, acontece o concerto da estreia no Rio de Janeiro do Festival Internacional Mimo 2015, com a Orquestra Sinfônica Cesgranrio – comandada pelo maestro Eder Paolozzi. No cenário neoclássico da Igreja da Candelária, o público vai assistir à vitalidade da música flamenca.

O solista convidado é o violonista clássico espanhol Daniel Casares, que faz a estreia no Brasil da sua primeira composição sinfônica para violão e orquestra, La Luna de Alejandra. A obra foi exibida pela primeira vez em 2014, no pátio de armas do Castillo de Gibralfaro, em Málaga, na Espanha – terra natal de Casares.

O repertório também inclui mais duas obras que remetem à Espanha. A Pavana para uma Princesa Defunta, do francês Maurice Ravel, foi criada em 1899 e remete à pavana, tradicional dança espanhola. O Concerto de Aranjuez, de Joaquín Rodrigo, uma das principais obras musicais espanholas e uma das mais interpretadas em todo o mundo.

“A música espanhola tem uma forte ligação com o nosso imaginário latino-americano. Casares é um grande solista, será uma honra estrear no Brasil e compartilhar com o público esta bela obra criada por ele”, comenta o maestro Paolozzi.

Repertório

La Luna de Alejandra faz sua estreia no Brasil neste evento de abertura do Festival Mimo. O concerto para guitarra flamenca e orquestra é a primeira composição sinfônica do celebrado violonista clássico Daniel Casares. A obra foi exibida ao público pela primeira vez este ano, dia 4 de julho, no pátio de armas do Castillo de Gibralfaro, em Málaga, na Espanha. Criado em homenagem à sua primeira filha, o concerto foi fruto de sua pesquisa e admiração pela obra de grandes autores, além da influência do contato com Cecilia Bartoli, cantora lírica mezzo-soprano italiana.

A Pavana para uma Princesa Defunta (Pavane pour une Infante Défunte) é uma obra musical do compositor francês Maurice Ravel. Composta quando o artista ainda estava no Conservatório de Paris, é classificada com pertencente ao movimento musical impressionista. Devido às suas raízes bascas, Ravel tinha uma predileção especial pela música espanhola. A pavana era tradicional dança espanhola em movimentos lentos, que gozou de grande popularidade nos séculos 16 e 17. A obra, cuja inspiração foi uma tela de Velásquez, foi originalmente escrita para piano e ganhou versão para orquestra em 1910.

O Concerto de Aranjuez, escrito em 1939 pelo compositor espanhol Joaquín Rodrigo (1901-1999), é uma das principais obras musicais espanholas, e uma das mais interpretadas em todo o mundo. Inspirada no belo palácio rococó de Aranjuez e criada para violão clássico e orquestra, a peça alcançou tal êxito que levou ao reconhecimento internacional do compositor. Seu adagio é particularmente popular, e já foi interpretado por diversos nomes da ópera e da canção popular. Cego desde a infância, Joaquín escreveu toda sua prodigiosa obra em braile.

Sobre o solista

Daniel Casares é natural de Málaga, na costa sul da Espanha, no Mediterrâneo. Ele é um dos principais violonistas clássicos da atualidade, além de compositor. Casares combina apuro técnico com criatividade e apresenta um novo flamenco, que respeita a tradição e busca fôlego na fusão com elementos do jazz e da pop music. Tem seis discos lançados que foram bem-recebidos pela crítica e já recebeu diversos prêmios e homenagens, entre eles o ACE Award for Extraordinary Performance in Concert, da Association of Latin Entertainment Critics of New York (2004). Apontado pela crítica como o sucessor de Paco de Lucia, o premiado artista é, aos 35 anos, um dos principais guitarristas flamencos da atualidade e acaba de lançar o sexto CD de carreira, dedicado ao conterrâneo Pablo Picasso, Picassares.

Sobre o regente

Eder Paolozzi

Eder Paolozzi

Eder Paolozzi é o regente titular da nova Orquestra da Fundação Cesgranrio. Paulista, criado em terras cariocas e com formação internacional, já é um dos principais protagonistas do cenário de renovação da música clássica do Rio. Em julho de 2013, foi premiado no Festival Musica Riva, na Itália, o que rendeu o convite para reger, na Armênia, a State Youth Orchestra of Armenia. Como maestro, atuou também na Inglaterra e Itália, onde regeu a World Youth Orchestra, a Orquestra Reino di Aragón, a Orchestra Giovanile Luigi Cherubini e Salzburg Philharmonic Orchestra. Formou-se em regência, composição e piano no Conservatório Giuseppe Verdi, em Milão, o mais prestigioso da Itália, e, em violino, no Trinity College of Music, em Londres. No Brasil, estudou com o maestro Isaac Karabtchevsky e atuou como maestro convidado em algumas das principais orquestras do país como a Petrobras Sinfônica e as Sinfônicas da Bahia, do Recife e de Porto Alegre. Em 2011, foi convidado pelo maestro Karabtchevsky para trabalhar no projeto Corais da Paz, em escolas do Estado do Rio de Janeiro, até 2012.

 

Sobre a orquestra

Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento sociocultural da cidade do Rio de Janeiro e do Brasil, a Fundação Cesgranrio criou a Orquestra Sinfônica Cesgranrio, que visa oferecer formação musical e artística, proporcionando o desenvolvimento pessoal e criando oportunidades de profissionalização para jovens músicos. O presidente da Fundação Cesgranrio, Carlos Alberto Serpa, ressalta que a Orquestra atuará de maneira itinerante, apresentando-se para crianças, jovens e adultos de diferentes perfis e classes sociais em múltiplos espaços. Desta forma, a Orquestra Sinfônica Cesgranrio pretende contribuir para despertar o potencial artístico dos músicos e das plateias.

Confira a programação completa do Festivam Mimo na página do evento.

 

Fuente: movimento.com

 

           

Tags relacionados

/ / / /